Motivação para o sucesso

É frequente encontrar alunos que se questionam sobre o que devem fazer para conseguir motivar-se para a escola e para a sua aprendizagem formal. Lamentam-se e constatam que para outras situações (além da escola) estão sempre prontos a aprender, mas para o contexto escolar o mesmo não se verifica. “Se fosse assim na escola!” é uma expressão frequente de se ouvir!

A palavra motivação vem do latim “movere”, que significa “mover”. A motivação é, então, aquilo que é suscetível de mover o indivíduo, de o levar a agir para atingir algo e de lhe produzir um comportamento orientado. A motivação tem por objetivo a busca do prazer, o único e verdadeiro motivo de todas as ações humanas. Podemos definir motivação como o conjunto de forças internas que mobilizam o indivíduo para atingir um dado objetivo como resposta a um estado de necessidade, carência ou desequilíbrio.

Não existe uma classificação para as motivações, mas várias. As motivações podem classificar-se em dois grandes grupos: as fisiológicas e as sociais. As motivações fisiológicas (primárias, básicas, biológicas, orgânicas) são as que estão ligadas à sobrevivência do organismo e não resultam de uma aprendizagem. Como exemplos temos a fome, a sede, evitar o frio e o calor, sono, etc. As motivações sociais (secundárias, culturais) são as que dependem essencialmente de aprendizagens, isto é, foram adquiridas no processo de socialização. Exemplos: necessidade de convivência (afiliação), de reconhecimento, de êxito social, de segurança, de ser aceite, de pertencer a um grupo, de alcançar um estatuto social elevado, de enriquecer, etc.

Para agir em qualquer situação, é necessário primeiro a vontade de realizá-la, se não nada acontece. Se não houver vontade, tudo se complica. Este facto também ocorre na educação. É importante teres objetivos definidos, pois isso ajuda a estabeleceres metas e a te comprometeres em cumpri-las. Saber o que se quer ajuda a motivares-te!

Porque a vida não é só escola

A vida não é só escola e deves desenvolver atividades extra de que gostes. Pode ser o futebol, o teatro, a música, a pintura… Tem é de ser algo que gostes de fazer, que te dê prazer e onde possas vivenciar sucesso. Isso ajuda a poderes transportar essa índole motivacional para a escola.

Os teus pais e professores também têm uma palavra a dizer. Criar e entusiasmar pelo gosto de aprender é das tarefas mais globais e transversais a todos os pais e professores, todas as disciplinas, todos os anos, sempre,… Um professor entusiasmado, dinâmico pela sua presença e atitude transmitirá um modelo balizador e motivador para os alunos. Certamente que há alguns professores que te motivam a estudar e trabalhar mais que outros! Assim como puxam por ti, puxa também pelos teus professores mais passivos! Se eles forem dinâmicos e motivadores facilita todo o processo!

Como modelo, o professor deve trabalhar e pensar em estratégias e recursos para fazer com que o aluno queira aprender, por outras palavras, deve fornecer estímulos para que o aluno se sinta motivado a aprender. Para do que a matéria que ensina deve preocupar-se também na forma como motiva os alunos.

Nem sempre é fácil nem pacífico conseguir que pais e professores consigam motivar os seus filhos/alunos. Quando o aluno está motivado para atingir uma dado objetivo, e por um obstáculo qualquer não o consegue atingir, vive um estado de frustração. Este sentimento de depende de muitos fatores: personalidade do sujeito, idade, natureza da motivação, tipo de obstáculo, etc. A resposta mais eficaz tem uma única palavra, pouco usada no dia-a-dia, mas fundamental: resiliência. Esse é o nome dado à capacidade de vencer dificuldades e se deixar transformar por elas, saindo ainda mais forte da situação. Os professores devem ser resilientes, os ALUNOS devem ser resilientes, os pais devem ser resilientes, sem serem chatos!

Sobre o autor deste texto

Renato Paiva é pedagogo, diretor da Clínica da Educação e autor dos livros “SOS tenho de passar de ano” e “Ensina o teu filho a estudar”, ambos editados pela Esfera dos Livros.

[Foto: Mackenzie Black @ Flickr]

Artigos Relacionados:

Deixar uma resposta